Programa de Residência Florestal aproxima profissionais da engenharia florestal às práticas de gestão e execução técnica do manejo florestal comunitário

Programa de Residência Florestal aproxima profissionais da engenharia florestal às práticas de gestão e execução técnica do manejo florestal comunitário

O manejo florestal comunitário exige de profissionais do segmento florestal conhecimentos ainda pouco explorados em ambientes formais de ensino, como universidades e instituições de educação tecnológica. Os desafios de atuação em empreendimentos coletivos liderados por populações tradicionais extrapolam as expertises técnicas das atividades operacionais e incluem relações interpessoais e novas formas de pensar as relações com a sociobiodiversidade e com o próprio sistema econômico. Para suprir esse déficit no campo da engenharia florestal, e propor modelos replicáveis de formação e extensão, o Instituto Floresta Tropical (IFT) inaugurou na Reserva Extrativista (Resex) Verde para Sempre, em Porto de Moz, região Oeste do Pará, o Programa de Residência Florestal.

Com o apoio da Climate and Land Use Alliance (CLUA), o programa propõe o desenvolvimento e aprimoramento profissional de engenheiros florestais em formação ou recém-formados, que consiste em treinamento e acompanhamento de atividades práticas, em regime de dedicação exclusiva, com orientação assistida por atores florestais que atuam com manejo florestal em comunidades rurais. O programa de residência tem como objetivo geral aprimorar a formação técnica dos selecionados, com especial atenção ao olhar social. Para isso, o programa abordará as mais diferentes fases de preparação, implementação e gerenciamento das atividades florestais.

A primeira edição do Programa selecionou no final de 2018 duas engenheiras florestais por meio de processo que recebeu mais de 70 inscrições de estudantes e profissionais recém-formados de todo o Brasil. Flávia Ranara da Silva e Lídia Patrícia de Lucena Pereira iniciaram os trabalhos na Resex Verde para Sempre na segunda quinzena de janeiro de 2019. E participam das atividades de inventário 100% referente safra deste ano, o trabalhou iniciou com o planejamento e primeira incursão em campo para realização do inventário florestal de cinco dos seis Planos de Manejo Florestal Sustentável (PMFS).

Entre os objetivos específicos do plano de residência estão: consolidação do conhecimento para tomadas de decisões estratégicas e planejamento de riscos das atividades florestais; embasamento teórico-prático a fim de incrementar a capacidade de assessoria, coordenação e gerenciamento das atividades florestais; proporcionar conhecimentos em gestão social e governança territorial, a fim de que profissionais da engenharia florestal possam compreender e dialogar com questões sociais e tomadas de decisão coletiva no ambiente comunitário; incentivar e desenvolver o senso de responsabilidade e ética; complementar a formação técnica e acadêmica na prática e fortalecer o manejo florestal de uso múltiplo na Amazônia com enfoque nas comunidades rurais.

MFC na Resex Verde para Sempre

Na Verde para Sempre, o IFT colocou em prática a estratégia de encubação do manejo florestal comunitário em 2017, cujo os pilares são a capacitação e treinamento, extensão florestal e uso de equipamentos próprios. A encubação para o manejo florestal comunitário é um processo que respeita o tempo de aprendizado das comunidade tradicionais, trabalha com a premissa de construção do conhecimento coletivo em que se dialoga sobre técnicas operacionais e de gestão do manejo florestal, planeja e aplica as estratégias definidas em grupo e posteriormente avalia resultados para fortalecer o que está dando certo e corrigir os erros.

Sem Comentários

Publicar Um Comentário